0

Como conseguir ideias e escrever suas histórias?

Meus alunos sempre querem saber como conseguir ideias e escrever suas histórias. São dois problemas diferentes, duas etapas de um mesmo processo — e explico ambas neste breve artigo. Quando você é um escritor principiante, muitas vezes ainda preso ao mito da inspiração, o processo de criar um texto parece esconder algum tipo de segredo,…

0

Linguagem vulgar e mesmice: a lição de Karl Kraus

Das inúmeras afetações que se procura introduzir na literatura, uma das mais nocivas é a insistência em poluir o texto com linguagem vulgar. Não me refiro ao estilo despojado de alguns autores ou àquela forma de escrever que simula o coloquial — pensemos, por exemplo, num diálogo de Hemingway —, mas às centenas de autores…

0

Recriar a ordem do cotidiano

Minha maior luta, ou a parte mais difícil dos meus esforços diários, é recriar a ordem que me protege da vida comum. Não se trata de buscar uma forma de isolamento, mas de obedecer a uma organização da vida que, inserida no cotidiano, liberte-me da pressão do cotidiano, das falsas preocupações, das falsas urgências —…

0

Dr. João Pinto Grande — um herói para o nosso tempo

O mais recente livro de Yuri Vieira, A sábia ingenuidade do Dr. João Pinto Grande, esconde, sob o título atrevido, ao menos dois contos que merecem leitura cuidadosa. “Amarás ao teu vizinho” é uma aventura da qual participa o personagem que dá nome à coletânea. O substantivo aventura, contudo, não expressa com acerto a índole…

0

Por que deixamos de escrever? E por que devemos voltar a escrever?

Por que deixamos de escrever? Por que deixamos de escrever se, todos os dias, arrastamos nossas ideias através do ócio, às vezes perfurando com elas o cilindro frio que nos separa da realidade? Avançamos sempre sem escrever, apesar do desejo sincero de colocar no papel o que pensamos, não necessariamente um poema ou uma história….

0

O que significa ser escritor?

Juan Carlos Onetti foi o primeiro secretário de redação da Revista Marcha, semanário que surge em Montevidéu, no ano de 1939. Ali escreveu de tudo, inclusive crítica literária, que assinava com o pseudônimo de Periquito, el Aguador. Alguns textos são breves reflexões a respeito da criação literária — ou melhor, análises sobre o comportamento que…

a redescoberta do tempo
0

A redescoberta do tempo

Desde que voltei a escrever com canetas-tinteiro — e passei a usar meu processador de textos favorito, Scrivener, como uma ferramenta em que copio e reviso os rascunhos —, tenho pensado a respeito do uso do tempo, mas não seguindo a chave tão difundida hoje, quando a “produtividade” se tornou uma das semideusas modernas. Há…

0

5 motivos para cursar uma Oficina de Escrita Criativa

Quais as razões para cursar uma Oficina de Escrita Criativa? Se nenhuma Oficina de Escrita Criativa tem o poder de transformar o aluno, num passe de mágica, em escritor, para que serve esse curso? Se nenhuma Oficina de Escrita Criativa pode conceder ao aluno, em poucas semanas, alguma capacidade rara de se expressar, qual a utilidade…

0

O exercício de escrever: a lição de Shelby Foote

Sempre que penso a respeito do exercício de escrever — isto é, a escrita enquanto trabalho efetivo, e não simples inspiração —, lembro-me do historiador e romancista Shelby Foote, infelizmente pouco conhecido no Brasil. Um dos aspectos surpreendentes no seu trabalho é o fato de ele jamais ter usado um computador. Na verdade, escreveu os…

0

O escritor e as palavras: uma relação complexa

Como eles se relacionam, o escritor e as palavras? Para responder, é preciso, primeiro, entender o funcionamento das palavras. Quando somos crianças e aprendemos a falar, é como se nossas palavras pertencessem a uma língua primitiva — uma língua em que cada vocábulo designa apenas um elemento da realidade. Para exemplificar essa ideia, sempre conto…

0

Você tem motivos para escrever?

Os motivos para escrever são inúmeros. W. H. Auden conta, por exemplo, que começou a escrever poesia “porque numa tarde de domingo, em março de 1922, um amigo me sugeriu que o fizesse”. E acrescenta, depois de recordar suas leituras preferidas à época, algumas voltadas à mineralogia, que “a sugestão de que eu escrevesse poesia…

0

Como relacionar personagens e espaço

Comecei a escrever, há poucos dias, sobre o que é uma personagem e a relação entre personagens e espaço, entre personagens e cenário. Grande parte dos personagens que encontramos na literatura contemporânea brasileira parece viver numa espécie de éter. Essa exagerada imaterialidade ocorre, quase sempre, por dois motivos: excesso de solipsismo — a literatura está…

0

O que é uma personagem?

É a pergunta que fazemos quando chegamos ao fim de um livro por qualquer razão admirável: o que é uma personagem? Uma marionete que, durante a trama, percebemos como era manipulada? Uma pequena tirana que surgiu do nada para atormentar o escritor? Ou uma figura que, de forma surpreendente, parece humana? O escritor inteligente dispensa…

0

Da palavra única à arquitetura do texto

Dentre a multidão de palavras disponíveis, o escritor escolhe, ao elaborar seu texto, as melhores palavras, sempre buscando “a palavra única para a ideia única”, diz Walter Pater em “Estilo”, ensaio publicado em 1888, que comecei a analisar há poucos dias. A reflexão sobre “a palavra única para a ideia única” não é desconhecida aos…

0

Walter Pater e suas lições de estilo

No ensaio “Estilo”, publicado em 1888, Walter Pater tece observações úteis para quem deseja se tornar escritor. E o faz no seu tom “sereno e contemplativo”, como definiu G. K. Chesterton. Mas há trechos marcados por certo contorcionismo, por frivolidades ou amaneiramentos, facilmente superáveis para o leitor criterioso, armadilhas derivadas do esteticismo de Pater, a…

George Orwell
0

George Orwell e a luta pela individualidade

No ensaio “Matar um elefante”, George Orwell narra um episódio do seu tempo como funcionário do Império Britânico na Birmânia, onde permaneceu cerca de cinco anos — período em grande parte tedioso, desempenhando funções sem relevância. A ironia que abre o texto — ser importante a ponto de ser odiado — desdobra-se no repúdio silencioso…

0

Há inúmeras formas de escrever bem

A história da literatura prova que há inúmeras formas de escrever bem, mas não há uma receita única. Na verdade, aprender a escrever bem — sem copiar o estilo de outros escritores, mas permitindo que a sua própria voz aflore — é trabalho de uma vida inteira. Leiam os diários ou a correspondência dos grandes…

7 reflexões sobre a arte de escrever
0

7 reflexões sobre a arte de escrever

Estas 7 reflexões sobre a arte de escrever são uma releitura dos vários textos em que trato desse tema — e que podem ser encontrados aqui no site. Aprofundo neste artigo algumas questões e recupero outras, que avalio como essenciais: 1. Olhos abertos à realidade Observar é fundamental. O escritor precisa ser um mestre da…

canetas-tinteiro
0

De volta ao papel e às canetas-tinteiro

Tenho a mania terrível de ir na contramão do meu tempo. Na verdade, não é terrível, mas salutar. Há formas de pensar, valores, livros, comportamentos, hábitos que, hoje, começam a ser esquecidos, mas não perderam sua importância. Podem inclusive estar completamente esquecidos por alguns, mas continuam emitindo sinais inquestionáveis de que, se recuperados, têm o…

2

Para Pasternak, a fama é reles — e também os partidos

Reli ontem, após muitos anos, “A fama é reles…”, de Boris Pasternak. O poema é um contraponto ao nosso tempo, em que gênios e celebridades da literatura surgem a cada dia para, exclusivamente, cumprir seu efêmero destino na indústria de diversões e logo rumar para o esquecimento. Pasternak não se queixa por estar ilhado na…