Incêndio do Museu Nacional: forma espetacular do que ocorre em silêncio

A história do Brasil, passada e recente, é a história do assassinato da história.

A ideia não é minha, mas pode ser encontrada, repetida à exaustão, nos ensaios e livros dos nossos melhores intelectuais.

Carlos de Laet, que escreveu durante meio século — e sofreu censura e perseguições por defender a monarquia —, mostra, numa de suas crônicas, a materialização da sanha adesista que tomou grande parte da classe política após o golpe de 1889: até das talhas de barro em que se armazenava água mandou-se arrancar os símbolos imperiais. E Laet descreve, então, o funcionário que, utilizando um canivete, tenta raspar o barro, mas sempre, ao final, criando um rombo na talha. “A coroa sai, mas a talha fica furada”, diz Laet para concluir: “Desconfio que nunca mais se consertou a talha republicana”.

A ironia de Laet tem qualidade profética, desgraçadamente.

Com a república, criamos essa compulsão pelo assassinato, pois acreditamos que o progresso, o Brasil do futuro, só nascerá se matarmos o passado.

Essa prática repetitiva explica, por exemplo, as sucessivas reformas ortográficas — principalmente a inutilidade absoluta da mais recente —, as palavras de ordem debochadas da Semana de 22 e que muitos vomitam até hoje, o desprezo pelo patrimônio histórico e por tudo que não espelhe, de forma servil, a ideologia que domina o momento.

Basta relembrar o que foi a construção da Avenida Getúlio Vargas, no Rio de Janeiro, quando, em nome do progresso, derrubaram-se as igrejas de São Domingos, Bom Jesus do Calvário e São Pedro — esta última, segundo Gastão Cruls, “joia da nossa arquitetura sacra”.

incêndio do Museu Nacional

O incêndio do Museu Nacional é só a forma espetacular do que se repete neste país, em silêncio, desde sempre.

Procure-se o depoimento de Rodrigo Franco de Melo Andrade na aula que proferiu, em 1961, no Instituto Guarujá-Bertioga, se é que a cópia datilografada, existente no arquivo do SPHAN/Pró-Memória, ainda não foi corroída pelas traças ou picotada por algum funcionário repleto de boas intenções.

Lembro-me, em Jundiaí, na biblioteca em que estudei muitos anos, a devoção com que o velho funcionário, imbuído de profundo zelo, substituía as primeiras edições por exemplares mais recentes, a obra original pela tradução, o livro antigo pelo novo. E recordo seu olhar de espanto e incompreensão quando tentei lhe explicar o crime que praticava.

Leia-se o brilhante livro de Franklin de Oliveira, Morte da Memória Nacional, publicado em 1967 e reeditado em 1993, mas jamais lido, jamais levado a sério, servindo apenas como consolo às consciências que, neste país, ainda se dão ao luxo de se indignar.

Mas basta. Não preciso ir adiante. Seria cansativo e inútil. Vá o pesquisador que deseja conhecer a verdade à Biblioteca Nacional e penetre no acervo abandonado. Vá a Ouro Preto e veja caminhões, carros e ônibus cruzando as ruas como se os alicerces do barroco pudessem resistir à trepidação e aos poluentes. Vá aos arquivos das mais antigas Câmaras Municipais e descobrirá tudo que foi queimado ou dissolvido por goteiras, chuvas, inundações. Vá conhecer os arquivos históricos do país — não as vitrines que são apresentadas nos folders impressos em papel cuchê, mas a zona de sombra, umidade, bolor e esquecimento, jamais alcançada por aquilo que até hoje procuramos inutilmente: a consciência nacional.

Sairá desses lugares convencido de que a república continua a fazer água. De que o incêndio de ontem é só a forma espetacular do que se repete neste país, em silêncio, desde sempre. Somos um campo de guerra. Qualquer inutilidade ideológica é mais importante do que tudo que já perdemos e continuaremos a perder. Para onde quer que você desvie o olhar, verá apenas uma coisa: ruínas, ignorância, abandono, devastação.